Professor Universitário e Advogado


ANDRÉ COPETTI

 

Pós-doutorando sênior e bolsista CAPES/CNPQ.

 

Doutor (2004) e Mestre (1999) em Direito pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. 

 

Graduado em Direito pela Universidade de Cruz Alta (1988).

 

Atualmente é professor convidado do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento da UNIJUÍ, IJUÍ, RS e coordenador executivo do Programa de Pós-Graduação em Direito da URI-Santo Ângelo, RS.

 

Direitor-editor da Revista Direitos Culturais (impressa e online).

 

Avaliador ad hoc do Ministério da Educação.

 

Membro fundador da Casa Warat Buenos Aires e da Editora Casa Warat.

 

Livros e artigos publicados nas áreas de direito penal, direito constitucional, teoria do direito e ensino jurídico.

 

Advogado criminalista.

 

Poeta leminskianamente autodeclarado.

 


Livros publicados por André Copetti.


Poesias

Tempos Mortos, Esquecimentos e Lembranças

  O desespero, Os tempos mortos e o esquecimento, As interrupções. Os tempos mortos. Nem esperas, Nem angústias, Nem recordações. Somente os tempos mortos e o esquecimento. Somente sombras, A vida articulada e perdida em sombras Expulso da própria imagem Que fazia de ti em meus sonhos, Sento e...

—————

Questão de (Des)Ordem

  A alguns cadáveres democráticos que ainda não sabem que estão mortos, pois nunca foram.     Dobrado sobre mim mesmo, Em minha transitória singularidade, Mas coerente em minha disposição, Corro, permanentemente, Em minhas assimetrias, Para contornar o destino, De tudo o que acontece...

—————

O Garoto e o Velho

  Na manhã de 27∕01∕2013, após uma suave caminhada num luminoso domingo   Há um garoto ladrão, Que sempre chega em mim, Acostumado a pilhar os instantes futuros De um velho que eu nem sei se vou conhecer. Creio que estão próximos os dias Em que os dois vão se encontrar. O velho não vai...

—————

Meus Versos não são Claros

  Meus versos caminham soltos, Sempre mal dormidos, Por figuras vigilantes e espertinas, No azul profundo, quase negro, Dos abismos intratáveis da madrugada, Para sempre morrerem felizes, Em afirmações trágicas Que se evaporam às seis da manhã.   Não dormem, nem acordam, Simplesmente me...

—————

Enigmas do Coração Matinal

  Quantos e quantos mistérios de minha sofreguidão Fecham seus olhos, dissimulados, Impenetráveis, Junto com o sono da noite?   Quantos e quantos mistérios de meus desejos Despertam, ostensivos, Em fortes palpitações, Em calmas manhãs cinzentas?   Quantos mistérios despertam com cada...

—————

Endereços do Coração

  Sempre que cheguei na casa de Landa, Meus afetos eram nutridos Com o suave toque De uma fina e diáfana pele de mel E com o pulso de um denso e largo coração de coco. Sempre cheguei pelo lado, Com passos úmidos em tardes cinzentas. Aromas de musgos a provocar meus olhos, Na calçada negra que...

—————

Torós da Minha Alma

  Chuva, ó chuva! Excesso de noite orvalhada, És torrente de lágrimas na arcada, E por onde passas, Constrói e estilhaça Os mesmos instantes de vida.   Chuva, ó chuva! Que nos alegres ditos de minha terra, És o ingênuo enigma que encerra Para todas minhas crianças Em tardes de grande...

—————

Castelos de Areia

  Meu amor libertino, Todo insolente E extraviado numa coreografia duplicada, Sem roteiro e feita toda de surpresas, Pelos movimentos do teu corpo, Tenta, desesperadamente, Te fazer repousar em meu abraço.   Ijuí, junho de 2013.

—————

O Dia Desorbitado

  A madrugada é completamente benigna Em sua desconcertante e plácida insônia. As cores se acomodam E se diluem na escuridão, Na curvatura do eclipse, Sem espaço nem tempo. Do velho corredor? Apenas confortáveis estalos amadeirados Das profundezas alegres de minha infância. Não há a menor...

—————

Sombra Final

  Como verei minha última sombra? Haverá minha última sombra? Ou virá ela, Sem aviso, Absoluta, Irresoluta, Tomar conta e cegar, com sua bruma negra e pesada, Em uma congelante lambida polar, O brilho do mundo em meu olhar?   2013

—————


Blue

15/11/2011 14:18

A história do Blue

A história       'Blues' é uma forma musical vocal e/ou instrumental que se fundamenta no uso de notas tocadas ou cantadas numa frequência baixa, com fins expressivos, evitando notas da escala maior, utilizando sempre uma estrutura repetitiva. Nos Estados Unidos...

—————



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!